0

INTOLERÂNCIA À LACTOSE

Em busca das respostas ..

Lendo um pouco sob Intolerância a Lactose e vendo cada vez mais nítido os sintomas da Malu ..
Aqui eu não tinha relacionado todos os sintomas juntos e agora juntando esta ficando muito nítido tudo.
Sintomas da Malu quando exagera no consumo de produtos que tem leite são :
* muito gases 
* refluxo
* constipação intestinal 
* aumento no volume abdominal
* dores de cabeça 

Porém não foi tão fácil enxergar estes sintomas e fazer a ligação com intolerância , ainda como falei estamos investigando , depois da cura da APLV passaria ela a ter ficado mesmo intolerante ? ainda sem resposta .

Intolerância a lactose é a incapacidade, seja ela total ou parcial, do organismo de digerir o açúcar do leite (lactose), presente também em seus derivados. Assim sendo, a pessoa intolerante não produz quantidade suficiente da enzima digestiva (lactase) responsável pela digestão da lactose que acaba sendo fermentada por bactérias, o que resulta nos principais sintomas que são:
-Náusea;
-Gases;
-Má digestão;
-Irritação intestinal;
-Aumento do volume abdominal;
-Diarreia ou constipação intestinal (intestino preso)
Os sintomas podem tanto aparecer logo após a ingestão de leite ou somente depois de algumas horas, dependendo da quantidade de lactose que cada organismo tolera combinado com a quantidade de alimento ingerido pela pessoa.
QUEM ATINGE? Pode atingir bebês, crianças e adultos. Normalmente após os 5 anos de idade o organismo humano diminui a produção da enzima lactase devido a redução da necessidade de consumo do leite. Muita gente só percebe essa intolerância algum tempo depois, quando, por algum motivo, deixa de consumir o leite e percebe que sua saúde melhorou. Segundo dados brasileiros, cerca de 70% da população adulta tem algum tipo de intolerância após o consumo do leite e seus derivados, no entanto, essa intolerância tem vários graus e não necessariamente indica que todos devem retirar todo o tipo de leite e derivados.
DIAGNÓSTICO: Existem alguns exames que podem ser solicitados pelo profissional que o acompanha, para que se possa diagnosticar o problema:
  • Teste de tolerância à lactose: o paciente ingere uma dose concentrada de lactose e durante um período de tempo são coletadas várias amostras de sangue para que assim possam ser medidos os níveis de glicose. Se  a concentração de glicose no sangue quase não sofrer alteração ou se essa alteração gerar uma curva característica, significa que a pessoa tem intolerância, pois a lactose não foi quebrada. Cabe então ao profissional verificar qual o grau de intolerância que esse paciente sofre.
  • Hidrogênio exalado: mede a quantidade de hidrogênio presente na respiração após a ingestão de lactose. Em situações normais essa quantidade é bem pequena, mas quando as bactérias do intestino grosso fermentam a lactose que não foi digerida, vários gases são produzidos, inclusive o hidrogênio, que é por fim exalado. Quando é detectado um nível elevado de hidrogênio, isso indica uma digestão inadequada de lactose.
  • Teste de pH das fezes: indicado para crianças, consiste em verificar o pH e a coloração das fezes uma vez que os gases produzidos e os açucares não digeridos alteram esses aspectos. É sempre bom lembrar que cada pessoa deve estar atenta ao seu próprio organismo, pois ninguém melhor do que ela para avaliar o seu limite com relação à ingestão do leite e seus derivados.
TRATAMENTO: Não existe nenhum tratamento para que se aumente a produção de lactase no organismo, mas o que se pode fazer é uma dieta controlada de alimentos que possuam lactose além de alguns medicamentos, como o uso da própria enzima lactase, sempre com orientação de um profissional. Como já foi dito, é muito importante que cada indivíduo teste seus limites para assim descobrir o seu próprio nível de intolerância. Uma pessoa com intolerância pode tolerar de 55 a 115 gramas de leite sem ter sintomas. Porções maiores do que isto podem causar problemas para quem tem deficiência de lactase.
O QUE EVITAR:
-Leite de vaca e de cabra e todos os seus derivados, além de produtos e receitas que os utilizam em sua preparação;
-Cápsulas gelatinosas com lactose;
-Adoçantes em pó.
OPÇÕES PARA INTOLERANTES:
-Leite com baixa lactose (já existem alguns com 90% a menos de redução);
-Leite de soja;
-Leite de arroz;
-Alguns locais vendem bolos, tortas e outros produtos que não contenham lactose em sua preparação.
MAS SE EU TIRAR O LEITE, COMO FAREI COM O CÁLCIO QUE É TÃO IMPORTANTE PARA MEU ORGANISMO? A ausência de leite na dieta pode levar a uma deficiência de cálcio, proteína e vitamina D, por isso é preciso encontrar novas maneiras de acrescentar cálcio à dieta. Comer alimentos que tenham mais cálcio passa a ser muito importante. O ideal é consumir folhas verdes, salmão, camarão, brócolis, laranja e outros alimentos ricos em cálcio. Se necessário, o individuo pode ser orientado para fazer uso de suplementos nutricionais. Ler sempre os rótulos dos alimentos é muito importante, pois mesmo em produtos não lácteos a lactose pode ser encontrada, como é o caso de algumas cervejas. Caso você desconfie que seja intolerante a lactose, procure ajuda e faça exames antes de tomar qualquer tipo de decisão, para evitar lesão no seu organismo.
Texto escrito pela nutricionista Mariana Ferri d’Ávila. Obrigada :)
 É sempre bom lembrar que cada pessoa deve estar atenta ao seu próprio organismo, pois ninguém melhor do que ela para avaliar o seu limite com relação à ingestão do leite e seus derivados.
TRATAMENTO
Não existe nenhum tratamento para que se aumente a produção de lactase no organismo, mas o que se pode fazer é uma dieta controlada de alimentos que possuam lactose além de alguns medicamentos, como o uso da própria enzima lactase, sempre com orientação de um profissional.
Como já foi dito, é muito importante que cada indivíduo teste seus limites para assim descobrir o seu próprio nível de intolerância.
Uma pessoa com intolerância pode tolerar de 55 a 115 gramas de leite sem ter sintomas. Porções maiores do que isto podem causar problemas para quem tem deficiência de lactase.
O QUE EVITAR:
-Leite de vaca e de cabra e todos os seus derivados, além de produtos e receitas que os utilizam em sua preparação;
-Cápsulas gelatinosas com lactose;
-Adoçantes em pó.
Fonte :http://minhavidacomigo.com/2014/07/14/intolerancia-lactose/


0

2018 CHEGOU E AS SUSPRESAS TBÉM !!!


Faz algum tempo que não escrevo aqui por total falta de tempo, mas vamos resumir aqui e ir de fato aos últimos acontecimentos.
Malu continua a fazer as vacinas contra a temida formiga e tudo anda correndo muito bem graças a deus, as epipens deste ano vieram sem problema algum.
 
Mas a surpresa deste ano ficou para nossa nova descoberta, Malu anda tendo cólicas prisão de ventre chega há ficar 10 dias sem evacuar, enfim depois da consulta com a pediatra resolvemos cortar a lactose (Malu nunca foi de tomar leite, porém consome sim queijo, bolachas com leite  , além de bolo), estamos na investigação vamos ver oque vai ser disso.
0

Volto a pedir pelas INDÚSTRIAS FARMACEUTICAS ONDE ESTÃO ???

Traduzido pelo google tradutor 

Oque será de nós com esta alta tão grande ?
Como ficaremos nisso ?
São perguntas que ficam na cabeça rodando o tempo todo , as industrias ainda não trouxeram para o Brasil a epipen oque torna de difícil acesso para a maioria da população . Anvisa ainda não reconhece o medicamento no Brasil ..
Volto a pedir pelas INDÚSTRIAS FARMACEUTICAS ONDE ESTÃO ???
Em sua mais recente tentativa de aplacar a indignação do alto preço do auto-injetor de ataques de alergia medicação "EpiPen", de acordo com as NYTimes o fabricante recorreu a uma tática incomum; a introdução de uma " versão genérica" ��de seu próprio produto .
Fired reacção alérgica mulher enquanto trabalhava no Canadá
A companhia disse segunda-feira que a droga será idêntica à do produto existente, mas terá um preço de lista por atacado $ 300 para um pacote de dois, metade do preço da patente da droga .

A introdução do genérico é uma das medidas que a empresa anunciou na semana passada, para manter a marca no lugar. Por exemplo, aumentar o apoio financeiro a empresa fornece aos pacientes segurados, dismunición das despesas que afetam diretamente o seu bolso. Este destina-se a estender a elegibilidade da marca e permitir que os pacientes não segurados , pode receber produto gratuito.
A introdução de genéricos, não indignação era precisamente que gerou o aumento do preço do medicamento em questão. Agora, a empresa essencialmente vender o mesmo produto com dois nomes, com preço diferente e convirtiédose na sua própria jurisdição. A nova medida poderia ajudar a acalmar os críticos, embora alguns que argumentam que, mesmo em $ 300 para um medicamento genérico, é ainda triplicar o preço do EpiPen em 2007.
Quando a farmacêutica Mylan adquiriu o produto começou a subir de forma constante o seu preço. Mesmo esperar que o genérico, fornecendo os enormes lucros da empresa, porque ele acredita-se que os custos de produção são muito mais baixos preços.
Mylan sugeriu em seu comunicado de imprensa, a sua acção requer o acordo do seu parceiro de produção, Pfizer . O genérico deve significar economia para as seguradoras e programas de saúde federais, como o Medicare e Medicaid , além de alguns pacientes.
A epinefrina , que é o ingrediente activo do EpiPen já é genérico. O desafio tem sido o desenvolvimento de uma auto fácil - injector de usar que pode entregar com segurança a quantidade certa de medicamento quando utilizado pelo paciente em situações de emergência . No ano passado, a Sanofi se retirou do mercadoun concorrente EpiPen, chamado Auvi-Q devido a problemas de dosagem.








FONTE
http://t33.entravision.com/2016/08/30/farmaceutica-mylan-ofrecera-epipen-generico-a-mitad-de-precio/