3

ALERGIA À PROTEÍNA DO LEITE DE VACA E INTOLERÂNCIA À LACTOSE SÃO DIFERENTE

Intolerância à lactose é a dificuldade do intestino de digerir a lactose, que é um açúcar do leite e que não provoca alergia. Embora os sintomas possam ser parecidos, é importante saber diferenciar a alergia da intolerância, pois os tratamentos são diferentes.

Alergia à proteína do leite de vaca (APLV)

O que é?

Reação alérgica à(s) proteína(s) do leite de vaca

Em que idade é mais comum?

Muito mais comum em crianças, especialmente em bebês. Adultos raramente têm alergia à proteína do leite de vaca.

Quais os sinais e sintomas?

Um ou mais dos seguintes sintomas: vômitos, cólicas, diarréia, dor abdominal, prisão de ventre, presença de sangue nas fezes, dermatites (vermelhidão na pele, descamação, pequenas bolhas e “pele grossa”), problemas respiratórios (asma, chiado no peito e rinite) e emagrecimento. Podem ocorrer em minutos, horas ou dias após a ingestão de leite de vaca ou derivados, de forma persistente ou repetitiva.

Como é feito o diagnóstico?

Pelo médico, por meio da observação dos sintomas. Alguns exames podem ajudar, mas o diagnóstico é confirmado apenas pelo “teste de desencadeamento”, que consiste na observação da reação do paciente à retirada do leite de vaca e derivados com posterior reintrodução desses alimentos.

A mãe pode continuar amamentando o filho no peito?

SIM, e DEVE. Neste caso, a mãe que amamentar deve seguir uma dieta especial, sem leite de vaca e derivados, sempre sob a orientação de um médico ou nutricionista.

Se o bebê não estiver mais mamando no peito, é preciso que ele siga alguma dieta especial?

SIM. É necessária a exclusão completa do leite de vaca e seus derivados, além de todos os alimentos preparados com leite. ATENÇÃO aos alimentos industrializados, que podem conter leite ou ingredientes derivados (como, por exemplo, caseína, caseinato, soro do leite  ou proteínas do soro).

É preciso dar algum leite ou fórmula especial?

SIM, apenas para os bebês que não estiverem sendo amamentados. O médico irá indicar uma dieta especialmente desenvolvida para alergia alimentar.

ATENÇÃO – leite de cabra ou de outros mamíferos (ovelha, búfala) também podem causar reações alérgicas e não são indicados para APLV.

O bebê voltará a ter uma vida normal?

Metade das crianças com alergia à proteína do leite de vaca melhora por volta de 1 ano de idade. A maioria (90%) está curada ao completar 3 anos. São poucas as pessoas que continuam alérgicas por toda a vida.

 

 

Intolerância à lactose

O que é?

Dificuldade do organismo para digerir e absorver o açúcar do leite (lactose)

Em que idade é mais comum?

É mais comum em adultos do que em crianças. Com o avançar da idade, existe uma tendência natural ao desenvolvimento da intolerância à lactose.

Quais os sinais e sintomas?

Diarréia, cólicas, distensão abdominal (barriga estufada) e náuseas são os mais comuns e podem ocorrer em minutos ou horas após a ingestão do leite de vaca.

Como é feito o diagnóstico?

Pelo médico, por meio da observação dos sintomas. Em alguns casos são solicitados exames específicos.

A mãe pode continuar amamentando o filho no peito?

SIM. O leite materno deve ser sempre o principal alimento oferecido ao bebê. É muito raro ocorrer intolerância à lactose durante o aleitamento materno.

Se o bebê não estiver mais mamando no peito, é preciso que ele siga alguma dieta especial?

SIM, quantidades pequenas de leite de vaca e seus derivados geralmente são toleradas, sendo permitido o consumo de alimentos que contenham um pouco de leite, como bolachas, bolos, entre outros.

É preciso dar algum leite ou fórmula especial?

SIM, apenas para os bebês que não estiverem sendo amamentados. Para crianças até 1 ano, utilizar fórmulas especiais isentas de lactose. Acima de 1 ano, produtos com baixo teor de lactose são bem tolerados.

O bebê voltará a ter uma vida normal?

A maioria das pessoas continua com intolerância à lactose por toda a vida. Mas, se o bebê tiver intolerância à lactose provocada por uma diarréia prolongada, talvez melhore após algum tempo e, então, poderá voltar a consumir leite de vaca.

 

fonte: http://www.alergiaaoleitedevaca.com.br/entenda_alergia.php?id=24

3 comentários:

Cris disse...

Vivi, adorei o texto!

Vivi, olha os sintomas do Lucas tá,e me diz o que tu acha, porque tu já viu mta coisa, história... Tu lembra né, que ele tem os IGEs altos, a pouco tempo até postei os valores, agora nao lembro mas 144 acho, me corrige se lembrar. O diagnóstico foi IL quando bb.
Ele mamava no peito e gritava depois, de dor, de cólicas. Começou a ganhar peso inferior ao esperado, mesmo dentro da curva, porque ele vomitava toda a mamada, enfim... Aí fizemos exame, tinha refluxo tb, entramos com Motilium e Label, aí sim, ele gritava mais, pois o Motilium (eu me dei conta hj em dia com Analu) aumentava a atividade intestinal dele, entao, ele ja tinha cólicas piorava. Mas os vomitos diminuiram, nao eram mais em jatos.
Aí, quando o leite do peito diminuiu (ah, eu nao comia derivados de leite, pois leite nao tomo), entramos já com Nan AR, melhorou. Com 6 meses, Nan Soy (nao lembro porque mudamos). Melhorou bem, mas com 7 meses e meio a primeira otite de uma sequencia, fazia otite de repeticao.
Com 1 ano Supra Soy... E o único problema passou a ser os ouvidos!
E sempre foi assim, amiga.
Hoje em dia, nao faz mais otites, toma leite de soja quando percebemos que tá com mais secreções, p/ evitar uma otite, os ouvidos secaram as secrecoes, nao precisando colocar os tubos de ventilaçao e tem épocas que tá com líquido em um deles. Aí, ficamos anquela de observar, aguardar, pra ver se diminui o liq ou se o outro fica com o mesmo aspecto.
Tem otorrino final do mês, pra rever os ouvidinhos.
Toma danones, nao tem problema algum intestinal, nada. Nao toma leite, nem de soja perto da hora de dormir, pra evitar refluxos e o refluxo prejudicar o ouvido.

Enfim, amiga.
Eram tantas coisas quando bb, que era mto dificil os sintomas se misturavam e confundiam.

Beijoo, adorei os relatos tb!

Ministério da Saúde disse...

Dê ao seu filho o que há de melhor. Amamente!
Quando uma mulher fica grávida, ela e todos que estão à sua volta devem se preparar pra oferecer o que há de melhor para o bebê: o leite materno.
É muito importante, tanto para o bebê como para a mãe, amamentar até os dois anos de idade ou mais. O leite materno é o únio alimento que o bebê precisa, até os seis meses. Só depois se deve começar a variar a alimentação.
Acontece que nem todas as mães sabem de todos os benefícios e deixam de amamentar mais cedo. Você pode ajudar nessa campanha divulgando materias e informações.
Caso se interesse pelo tema, entre em contato com comunicacao@saude.gov.br e participe!


Atenciosamente,

Ministério da Saúde

Malu contra a ALERGIA ALIMENTAR disse...

Cris

O IGE alto pode ser até por problemas respiratoria alergia a ácaro e companhia .

Otite de repetição pode ter fundo imunologico ( descobri isso agora ) sendo IGG /IGA abaixo do normal..

Vc já chegou a cortar totalmente o LV e Soja pra ver se melhora totalmente das otites e do refluxo , mas sem derivados tbém ?

Quanto a ser ou não intolerante tem que avaliar o clinico , ele pode não ter todos os sintomas , mas ser entende ??

Se o IGE tá alto sinal que tem algo errado sim..

bjos fica com DEUS ..

Postar um comentário

Minha Florzinha Crescendo

Guia Infantil